RSSYoutubeTwitter Facebook
Aumentar tamanho das letras Diminuir tamanho das letras Voltar Página inicial Versão para impressão


Notícias

26/08/2019 

O mundo está contra o desmatamento da Amazônia

Ao menos 40 cidades do Brasil e nove países ao redor do mundo irão se mobilizar entre esta sexta-feira (23) e domingo (25) contra as queimadas e o aumento do desmatamento na região da Amazônia, que

cresceram 85% nestes meses de governo do presidente Jair Bolsonaro (PSL), em comparação com o mesmo período de 2018.

Nesta sexta-feira os atos estão programados para ocorrer em São Paulo (SP), Rio de Janeiro (RJ), Salvador (BA) e Atalanta (SC). No sábado, os atos ocorrem em Belo Horizonte (MG), Manaus (AM), Ribeirão Preto (SP), São Carlos (SP), Porto Velho (RO) e Natal (RN). Já no domingo, novos protestos acontecem no Rio de Janeiro (RJ), Belo Horizonte (MG) e Manaus (AM).

Manifestações também estão marcadas para acontecer em ao menos 12 cidades de nove países, entre eles Alemanha, Espanha, Itália, México e Uruguai. No topo dos trending topics do Twitter, internautas também criticam a atuação do presidente brasileiro na #ActForTheAmazon.

Os atos ocorrem após fazendeiros promoverem o que foi batizado como “dia do fogo”, ato coordenado de queimadas ao longo da BR-163, no sudoeste do Pará. Várias cidades foram cobertas por densas nuvens de fumaça, entre elas São Paulo, que escureceu às 15h da segunda-feira (19).

O aumento das queimadas e do desmatamento, impulsionados durante o governo Bolsonaro, gerou insatisfações imediatas, provocando reações contrárias em diversos países. Na quinta-feira (22), o presidente da França, Emmanuel Macron, chegou a chamar uma reunião extraordinária dos países-membros do G7 para discutir o aumento das queimadas.

Em época de seca na Amazônia e em outras zonas de florestas do Brasil, a mata torna-se suscetível a incêndios. Porém, nesse caso específico, o fogo tem origem majoritariamente na ação predatória de fazendeiros, em busca de expansão das áreas de pastagem ou para plantações de soja, por exemplo.
Freio da devastação

Para o professor de Relações Internacionais e Economia da Universidade Federal do ABC (UFABC), membro do grupo Reflexão sobre Relações Internacionais (GR-RI), Giorgio Romano, são os setores financeiros e do agronegócio que deverão “frear” a sanha do presidente Jair Bolsonaro com relação a Amazônia. “Posso estar enganado, mas acho que os interesses econômicos vão se impor”, disse o docente.

De acordo com o professor, longe de se tratar de uma preocupação pela preservação ambiental, esses setores têm interesse principalmente na pauta da exportação, como ocorreu com relação à embaixada brasileira em Israel. Quando o presidente declarou sua disposição de mudar a representação da capital, Tel Aviv, para Jerusalém, não foram os fatores políticos, mas sim econômicos, que pesaram para que ele recuasse da decisão. Garantir seu apoio a Israel era o mesmo que perder o maior mercado brasileiro para a carne bovina brasileira, o dos países muçulmanos.

Cortina de fumaça

Para o presidente do Instituto Brasileiro de Proteção Ambiental (Proam), Carlos Bocuhy, o governo de Jair Bolsonaro tenta criar uma “cortina de fumaça diante de sua inação” para combater o desmatamento na Amazônia. Por conta da repercussão negativa internacional sobre o aumento de focos de incêndios na região, Bolsonaro tem levantado suspeitas sobre o trabalho de Organizações Não-Governamentais (ONGs) na região, chegando a insinuar que elas poderiam estar por trás das queimadas.

Apesar de, nos últimos meses, órgãos de monitoramento ambiental apontarem um aumento de desmatamento na Amazônia, como o mais recente boletim do Instituto de Pesquisa Nacional Independente (Imazon), que confirmou a tendência de crescimento da devastação no local, o estopim de toda a crise ambiental ganhou mais destaque na mídia tradicional com a massa de poluição que avançou por pontos de São Paulo, escurecendo o dia. O episódio também serviu para tornar mais evidente o aumento no número de queimadas, que, de acordo com Bocuhy, ocorre em decorrência da falta de fiscalização e do desmantelamento das políticas ambientais promovidas por Bolsonaro.

Fonte: Contraf-CUT
Última atualização: 26/08/2019 às 11:08:25
 
Versão para impressão Diminuir tamanho das letras Voltar Página inicial Aumentar tamanho das letras
 

Comente esta notícia

Nome:
Nome é necessário.
E-mail:
E-mail é necessário.E-mail inválido.
Comentário:
Comentário é necessário.Máximo de 500 caracteres.
código captcha
Código necessário.

Comentários

Seja o primeiro a comentar.
Basta preencher o formulário acima.

SINDICATO DOS BANCÁRIOS DO CEARÁ
  

Android cihazlariniz icin hileli apk indir adresi artik aktif bir sekilde hizmet vermektedir.
sex sohbet yapabileceginiz birbirinden guzel bayanlar telefonun ucunda sizleri bekliyor. Ustelik hd sex porno videolari da bulunmakta.
Kayitli olmayan kisiler bilinmeyennumara.me isim soy isim sekilde sms ile bilgilendir.
Profesyonel ekip davul zurna istanbul arayan kisilerin kesinlikle kiralama yapabilecegi en guzel site. Programsiz ve basit mp3 cevirme programi sizler icin sitemizde bulunmaktadir.

Rua 24 de Maio 1289 - Centro - Fortaleza - Ceará CEP 60020-001
(85) 3252 4266 / 3226 9194 - bancariosce@bancariosce.org.br

 

Copyright © 2019. Todos os direitos reservados.
  www.igenio.com.br