RSSYoutubeTwitter Facebook
Aumentar tamanho das letras Diminuir tamanho das letras Voltar Página inicial Versão para impressão


  24/09/2018
Edição Nº 1542 de 24 a 29 de setembro de 2018
ARTIGO

Trabalho bancário, adoecimento e suicídio

O trabalho adquiriu um lugar central na vida das pessoas, ocupando várias funções, tais como sobrevivência, identidade e reconhecimento social. Hoje as pessoas passam mais tempo no trabalho do que com a familia. Quando o trabalho adquire uma característica de tensão, ele pode ser um fato predisponente ao sofrimento psíquico.

No caso dos bancários, as sucessivas mudanças no trabalho, consolidadas com a incorporação das novas tecnologias, a automação dos processos, a terceirização e a implantação de práticas de gestão neoliberais intensificaram o sofrimento e afetaram de forma nociva a saúde dos trabalhadores dessa categoria.

Estudos indicam que os índices de acidente de trabalho e adoecimento cresceram, destacando-se os distúrbios osteomusculares relacionados ao trabalho (LER/Dort) e o desencadeamento de sofrimento psíquico, em especial, quadros de ansiedade, estresse e depressão. Desse modo, o cenário de sofrimento psíquico, associado com a precarização do trabalho e condições econômicas adversas pode relacionar-se positivamente com o incremento dos casos de suicídio.

O suicídio de trabalhadores representa o mais elevado nível de sofrimento. De acordo com Christophe Dejours, um dos princípias estudiosos sobre a temática suicídio e trabalho, o aumento de casos de suicídios relacionados ao trabalho se deve a fatores como o aumento do individualismo, a competição desmedida, a pressão constante, as avaliações de produtividade e a gestão por metas.

Muitas vezes, exclui o fator trabalho da investigação acerca dos motivos do sucídio. Contudo, os modelos de gestão adotados por grande parte das instituições financeiras, favorecem o sentimento de insegurança, medo, autoexigência e a solidão por parte dos trabalhadores. Nesse sentido, o trabalho deixa de ser um elemento coadjuvante e torna-se protagonista do sofrimento psíquico dos bancários.

Essas novas formas de gestão desestabilizam o coletivo de trabalhadores e, com isso, reduzem a possibilidade de construir formas de transformar o cotidiano laboral em um espaço produtor de saúde.

Profa. Mestre Marselle Fernandes

SETEMBRO AMARELO é uma campanha brasileira de prevenção ao suicídio, iniciada em 2015. É uma iniciativa do Centro de Valorização da Vida (CVV), do Conselho Federal de Medicina (CFM) e da Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP). O mês de setembro foi escolhido para a campanha porque internacionalmente o dia 10 de setembro é o Dia Mundial de Prevenção do Suicídio, por iniciativa da International Association for Suicide Prevention. A ideia é promover eventos que abram espaço para debates sobre suicídio e divulgar o tema alertando a população sobre a importância de sua discussão e combate.

Última atualização: 24/09/2018 às 10:29:52
Versão para impressão Diminuir tamanho das letras Voltar Página inicial Aumentar tamanho das letras
 

Versão em PDF

Edição Nº 1542 de 24 a 29 de setembro de 2018

Edições Anteriores

Clique aqui para visualizar todas as edições do Tribuna Bancária
 
SINDICATO DOS BANCÁRIOS DO CEARÁ
  
Android cihazlariniz icin hileli apk indir adresi artik aktif bir sekilde hizmet vermektedir.
sex sohbet yapabileceginiz birbirinden guzel bayanlar telefonun ucunda sizleri bekliyor. Ustelik hd sex porno videolari da bulunmakta.
Kayitli olmayan kisiler kimin numarasi ogren isim soy isim sekilde sms ile bilgilendir.
Profesyonel ekip davul zurna istanbul arayan kisilerin kesinlikle kiralama yapabilecegi en guzel site. Programsiz ve basit mp3 cevirme programi sizler icin sitemizde bulunmaktadir.
Rua 24 de Maio 1289 - Centro - Fortaleza - Ceará CEP 60020-001
(85) 3252 4266 / 3226 9194 - bancariosce@bancariosce.org.br

Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
  www.igenio.com.br