RSSYoutubeTwitter Facebook
Aumentar tamanho das letras Diminuir tamanho das letras Voltar Página inicial Versão para impressão


  24/09/2018
Edição Nº 1542 de 24 a 29 de setembro de 2018
ARTIGO

Trabalho bancário, adoecimento e suicídio

O trabalho adquiriu um lugar central na vida das pessoas, ocupando várias funções, tais como sobrevivência, identidade e reconhecimento social. Hoje as pessoas passam mais tempo no trabalho do que com a familia. Quando o trabalho adquire uma característica de tensão, ele pode ser um fato predisponente ao sofrimento psíquico.

No caso dos bancários, as sucessivas mudanças no trabalho, consolidadas com a incorporação das novas tecnologias, a automação dos processos, a terceirização e a implantação de práticas de gestão neoliberais intensificaram o sofrimento e afetaram de forma nociva a saúde dos trabalhadores dessa categoria.

Estudos indicam que os índices de acidente de trabalho e adoecimento cresceram, destacando-se os distúrbios osteomusculares relacionados ao trabalho (LER/Dort) e o desencadeamento de sofrimento psíquico, em especial, quadros de ansiedade, estresse e depressão. Desse modo, o cenário de sofrimento psíquico, associado com a precarização do trabalho e condições econômicas adversas pode relacionar-se positivamente com o incremento dos casos de suicídio.

O suicídio de trabalhadores representa o mais elevado nível de sofrimento. De acordo com Christophe Dejours, um dos princípias estudiosos sobre a temática suicídio e trabalho, o aumento de casos de suicídios relacionados ao trabalho se deve a fatores como o aumento do individualismo, a competição desmedida, a pressão constante, as avaliações de produtividade e a gestão por metas.

Muitas vezes, exclui o fator trabalho da investigação acerca dos motivos do sucídio. Contudo, os modelos de gestão adotados por grande parte das instituições financeiras, favorecem o sentimento de insegurança, medo, autoexigência e a solidão por parte dos trabalhadores. Nesse sentido, o trabalho deixa de ser um elemento coadjuvante e torna-se protagonista do sofrimento psíquico dos bancários.

Essas novas formas de gestão desestabilizam o coletivo de trabalhadores e, com isso, reduzem a possibilidade de construir formas de transformar o cotidiano laboral em um espaço produtor de saúde.

Profa. Mestre Marselle Fernandes

SETEMBRO AMARELO é uma campanha brasileira de prevenção ao suicídio, iniciada em 2015. É uma iniciativa do Centro de Valorização da Vida (CVV), do Conselho Federal de Medicina (CFM) e da Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP). O mês de setembro foi escolhido para a campanha porque internacionalmente o dia 10 de setembro é o Dia Mundial de Prevenção do Suicídio, por iniciativa da International Association for Suicide Prevention. A ideia é promover eventos que abram espaço para debates sobre suicídio e divulgar o tema alertando a população sobre a importância de sua discussão e combate.

Última atualização: 24/09/2018 às 10:29:52
Versão para impressão Diminuir tamanho das letras Voltar Página inicial Aumentar tamanho das letras
 

Versão em PDF

Edição Nº 1542 de 24 a 29 de setembro de 2018

Edições Anteriores

Clique aqui para visualizar todas as edições do Tribuna Bancária
 
SINDICATO DOS BANCÁRIOS DO CEARÁ
   Rua 24 de Maio 1289 - Centro - Fortaleza - Ceará CEP 60020-001
(85) 3252 4266 / 3226 9194 - bancariosce@bancariosce.org.br
Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
  www.igenio.com.br