RSSYoutubeTwitter Facebook
Aumentar tamanho das letras Diminuir tamanho das letras Voltar Página inicial Versão para impressão


  16/04/2018
Edição Nº 1520 de 16 a 21 de abril de 2018
ARTIGO

Carta a Lula: resistir e lutar são nossas palavras de ordem!

 

“Não adianta tentar acabar com as minhas ideias, elas já estão pairando no ar e não tem como prendê-las. Não adianta parar o meu sonho, porque quando eu parar de sonhar, eu sonharei pela cabeça de vocês e pelos sonhos de vocês.”
(Luiz Inácio Lula da Silva)


 

Prezado Presidente Lula,

É com tristeza, pesar e indignação que, depois dos acontecimentos dos dias 6 e 7 de abril, com a decretação arbitrária de sua prisão, tivemos uma certeza: vivemos tempos difíceis!

Estamos atravessando um dos maiores ataques à democracia desde o fim da ditadura militar. Primeiro foi o golpe que colocou o “temeroso” no poder, depois a perseguição à esquerda, aos movimentos sociais, aos movimentos sindicais, até uma vereadora e seu motorista foram executados, a sua caravana sofreu atentado, e por fim, a absurda e ilegal decisão de prendê-lo. São fatos graves que ameaçam a nossa jovem e frágil democracia, que mal alcançou a casa dos 30 anos. Esses fatos exigem de nós, a esquerda desse País, unidade contra a escalada fascista que vem tomando conta do Brasil.

Não se trata apenas da falta de provas contra você, presidente Lula, condenado por meras convicções, num processo que teve tramitação recorde. O fato grave está na burla descarada dos trâmites legais, na pressa em tirá-lo das ruas e torná-lo inelegível para que não possa concorrer ao pleito que você vence, tranquilamente, em todos os cenários. Isso é um grave ataque aos princípios democráticos e aos direitos do cidadão. Se o maior líder da esquerda brasileira, respeitado pelos maiores líderes mundo afora, sofre esse verdadeiro atentado aos seus direitos, o que não se fará com qualquer um de nós, pobres mortais?
Acontece que a sua prisão é parte essencial desse golpe que está em curso contra o povo brasileiro. O Lula não pode simplesmente voltar eleito pelo povo e retomar os rumos de um país mais justo, mais igualitário, onde os mais pobres são valorizados, na busca por mais distribuição de renda, de um desenvolvimento econômico preocupado com o social. Não! Não derrubaram Dilma, num
impeachment forçado, para deixar Lula ser candidato, vencer as eleições e retirar de pauta todos os ataques à classe trabalhadora. Desfazer o que, com tanta pressa e compra de votos, os golpistas fizeram na calada da noite.

É certo que o senhor não está acima da lei. Nem nenhum de nós. Mas tampouco está abaixo dela. Foi condenado sem provas; seu julgamento em segunda instância foi acelerado só para inviabilizar sua candidatura. É um escárnio ter um mandado de prisão contra alguém sem que haja nenhuma prova que o comprometa, ao mesmo tempo em que Temer foi flagrado em gravações espúrias e seu assessor direto foi filmado correndo com malas de dinheiro nas calçadas de São Paulo. Ou ainda Aécio Neves, que teve seu pedido escandaloso de dinheiro a Joesley Batista ouvido por todos os brasileiros, chegando a insinuar a morte de um possível delator de seus crimes. Temer segue no Planalto e Aécio, no Senado. De um lado, provas sem punição; do outro, punição sem provas. Quando juízes se comportam como chefes de partido, não se pode falar em justiça.

Lula, o senhor é um preso político, sua prisão inaugura um novo ciclo do golpe e nos desafia a ampliar nossa capacidade de luta e resistência. Mas não defendemos somente a sua pessoa, os seus direitos. Defendemos a democracia que está sob ataque, defendemos os ideais de esquerda, defendemos os nossos direitos que estão sendo cassados, defendemos as conquistas históricas dos trabalhadores que estão sendo retiradas, a revogação da reforma trabalhista, a manutenção do patrimônio brasileiro (não às privatizações das empresas públicas, como Correios, Petrobrás e Eletrobrás), a retomada do papel social dos bancos públicos, defendemos a retirada definitiva da reforma da Previdência de votação, enfim, defendemos uma sociedade mais justa para todos. Temos de ser fortes, continuar na luta e acreditar que só com ela podemos mudar a história. A Resistência somos todos nós! Suas ideias realmente estão andando conosco.

Escreva também sua carta para Lula: Instituto Lula – R. Pouso Alegre, 21 - Ipiranga, São Paulo – SP, 04261-030 – Sede do PT em Curitiba – Alameda Princesa Izabel, 160 – São Francisco, Curitiba – PR, 80510-200


Carlos Eduardo Lula da Silva, presidente do Sindicato dos Bancários do Ceará e funcionário do BB

Última atualização: 16/04/2018 às 13:26:11
Versão para impressão Diminuir tamanho das letras Voltar Página inicial Aumentar tamanho das letras
 

Versão em PDF

Edição Nº 1520 de 16 a 21 de abril de 2018

Edições Anteriores

Clique aqui para visualizar todas as edições do Tribuna Bancária
 
SINDICATO DOS BANCÁRIOS DO CEARÁ
   Rua 24 de Maio 1289 - Centro - Fortaleza - Ceará CEP 60020-001
(85) 3252 4266 / 3226 9194 - bancariosce@bancariosce.org.br
Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
  www.igenio.com.br